Jogo de paciência, 2020

1/127

A dualidade no uso de simbolismos, o deslocamento entre polos opostos de conceitos, as vias duplas que apontam verso e reverso são espelhos multifacetados que reproduzem reflexos caleidoscópios. Nesse sentido, a fabulação fotográfica da série “Jogo de Paciência" busca amalgamar antagonismos entre a realidade ficcional e a ficção realista em referência direta à estética surrealista.


A começar pela escolha na fotografia em preto, branco e uma considerável gama de cinzas, evidência que demarca a supressão da realidade colorida visível aos olhos, remete aos primórdios da fotografia e suspende a temporalidade linear. O cenário composto por lençóis brancos delimita um palco surreal para os personagens e objetos. Por vezes o “fundo infinito” afirma o deslocamento espacial onde tudo está suspenso: não há paredes, chão ou teto e os elementos buscam algum arranjo emoldurados pela brancura amarrotada.

(em processo enquanto durar a quarentena... )

Jogo de Paciência em processo | produção e edição: Iandé e Gláucia Nogueira

© 2020 by Ana Sabiá 

  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • You Tube